• Fora de Estrada

Cheira a "Gazoline"! Cheira a "oldschool!"

O Homem é feito de tentativas! De erros! De aprendizagens!

É a vida! A vida ensina! Quem nunca?!


Quem nunca ficou numa berma de estrada por se esquecer de atestar um depósito?

Quem nunca ficou que enrole o punho e siga viagem para outro destino.


Neste momento, falamos dos que já!

O Carlos é muito #aiprascurvas e é dos que já!


Já ficou na berma da estrada!


7 horas da manhã e encostou na berma somente acompanhado pelo silêncio da sua fiel “duas rodas” e pelo passar dos indiferentes na sua lufa-lufa diária. E foi precisamente ali enquanto esperava pelo amigo de sempre, aquele que todos temos, e que nos safa a qualquer hora dos apertos que a vida nos atira, que o Carlos teve tempo para parar e “sentir” o cheiro a “Gazoline” que só se sente nas conversas “oldschool” sobre motas.


Relembrado o sentimento, sentida a saudade e entre uns acenares de “está tudo bem?” de algumas motas que passavam, o Carlos fez nascer a “Gazoline”. Depressa surgiram ideias para um logotipo e uma primeira “simples, mas saudosista” (nas suas próprias palavras), t-shirt.

Já de depósito atestado e com o passar das semanas foi simples abrir o conceito complementando a marca com outras ideias, algumas delas com direito a edições limitadas, como o caso das t-shitrts azuis "Danger" e os gorros. Do parar na berma até aqui o tempo passou tão rápido como um rastilho de “Gazoline” a arder.

Dos primeiros “colecionáveis” surge a necessidade de lançar a marca.


Bastava um cenário oldschool – uma barbearia, música, bebidas, motas e uma “grupeta” #aiprascurvas.


Sem contar os minutos, ao mais puro estilo de quem vive fora de estrada e longe das rotas principais, num trejeito de quem quer e vive devagar e aprecia o momento pelo momento, sabendo que este não se repete a Gazoline viria a consolidar-se numa série de eventos ligados aos motores e à música.


Um desses eventos acabaria por acontecer na pacata vila de Azeitão num “evento” semanal (“ou um mero encontro de amigos”), que se por um lado arrelia quem na vila quer viver devagar, por outro, fortemente impulsionado pelo civismo e “saber estar”, se tornou um ponto obrigatório para qualquer tamanho de motor ou estilo.


A Gazoline entrava nas Quartas em Azeitão.


Não fosse o #covid ter vindo limitar e fechar o lado humano do Homem, então esta e todas as quartas sabemos onde ir e quem lá vamos encontrar. Este é o maior motorcycle spot não organizado, sem fins lucrativos, a nível nacional de passagem obrigatória (nem que seja só por uma vez), para quem se considera um apaixonado pelas duas rodas.

Ir a Azeitão, estacionar, estar entre amigos e desconhecidos, sentir o cheiro a Gazoline e viver na primeira pessoa o espírito oldschool das boas conversas de motas é para o Carlos algo que estava longe de imaginar naquela manhã… mantém-se o cheiro… e todos são bem recebidos se souberem entender esta frase simples…

"AS QUARTAS EM AZEITÃO, SÃO DE TODOS RESPEITEM".

E agora Carlos… para onde vai a Gazoline?


Simples, vai rolar punho, sem pressa, sem destino, numa viagem que se quer longa e tranquila, sabendo que se o motor se calar, um amigo “daqueles” virá seja a que horas for, safar a “cena”.

E se duvidas há que As Quartas e a Gazoline são #aiprascurvas então só falta mesmo deitar os olhos ao mais recente desafio da marca… “Não se explica, sente-se!"... live ás quintas no Instagram.


Ao Carlos dizemos, na próxima quarta-feira, assim que isto abrir, lá estaremos!

Se não fossemos não seríamos #aiprascurvas.

Carlos… foi um prazer! Será sempre!

Mais sobre a GAZOLINE: Facebook / Instagram

129 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo